Sobre a Mediunidade

jul2

4

Mediunidade é uma faculdade natural e inata de todo ser humano. Consiste na aptidão que todos nós temos de perceber o mundo invisível. Essa percepção pode ser manifestada de várias formas, em vários graus.

A mediunidade não é privilégio de poucos nem de religião alguma.  Todas as pessoas, em maior ou menor escala, são médiuns.  O que acontece é que alguns, por uma escolha própria e muito peculiar de cada indivíduo, nascem com esse dom um pouco mais acentuado, de forma a  poder cumprir na Terra os desígnios traçados quando ainda no mundo espiritual.

Trata-se de uma ferramenta de amor.  Quem é médium tem um compromisso com o bem.  É preciso educar a mediunidade, investir  no autoconhecimento e lutar para vencer  as más tendências.  Não ganhamos esse dom para nos divertir.  Ele nos foi dado para que aprendêssemos a nos doar.  Doando de nós, recebemos o mesmo da vida.

Todo médium deve ter disciplina, que passa pelo bom senso e a maturidade espiritual.  Toda forma de regulamentação da mediunidade e de seu exercício deve se pautar pelo discernimento.  Quem não sabe discernir entre o certo e o errado ainda não está pronto para exercer a mediunidade.  Precisamos nos orientar pelo exemplo.  Constantemente, nossas atitudes devem servir de exemplo, uns para os outros.  Temos que falar e agir tal qual falamos, independentemente da imposição de normas de conduta.  Quando o espírito amadurece suas qualidades morais, não precisa que ninguém lhe diga o que pode ou não fazer.  Ele, sozinho, sabe identificar o comportamento adequado e o irreverente.

O médium é um orientador.  Para isso, precisamos ter o domínio da mediunidade.  Ela nos permite promover o nosso crescimento.  Através do autoconhecimento e do auxílio ao próximo, vamos crescendo também.  Mas ela também representa um perigo para os menos vigilantes.  A falta de preparo, sobretudo moral, leva muitos médiuns ao despenhadeiro da ilusão, seduzidos pela vaidade e o poder.  É preciso equilíbrio e um constante policiamento de atitudes, palavras e pensamentos.  Ninguém é perfeito.  Mas a busca da perfeição passa pelo reconhecimento das dificuldades e pelo esforço para contê-los.

Devemos saber dosar o valor de cada coisa, agir de forma a sermos um bom exemplo no mundo, ter amor e respeito.  Médiuns ou não, essas são experiências que todo ser humano deve aprender com a vida e a observação do mundo.  Empregar a mediunidade no auxílio à transformação do planeta é tarefa confiada a todos nós, indistintamente.  Ninguém é melhor do que ninguém, nem mais sábio, nem mais inteligente, nem mais evoluído.

Quem está seguro de seu papel no mundo, não deixa passar a oportunidade de aprender e servir.

Comentários dos usuários(4):(incluir comentario)

  1. Bruna em 04 de julho de 2011, disse:

    Adorei o artigo, ensina bastante. O site está ótimo tb. Parabéns. Entrarei todos os dias. bjs

  2. Mônica de Castro em 04 de julho de 2011, disse:

    Olá, Bruna. Agora estou conseguindo, finalmente, reativar o site. Se você tiver interesse, pode dar uma passada também na minha página do facebook (http://www.facebook.com/pages/M%C3%B4nica-de-Castro/103038519788970). Como lá é um veículo mais dinâmico, costumo postar pequenas notas diárias. Beijos e obrigada pelo seu carinho.

  3. edna em 25 de outubro de 2011, disse:

    Muito bom site… se puder me mandar algo por e.mail .. vou adorar.
    bjoss..

  4. Mônica de Castro em 05 de dezembro de 2011, disse:

    Oi, Edna. Que bom que gostou do site. Quanto a mandar por e-mail, é o que pretendo, mas não sei se já aprendi a fazer direito. Beijos.

Comentar: