Uma História de Ontem

jun1

9

É preciso praticarmos o perdão, não apenas pelo próximo, mas, e principalmente, por nós mesmos.

“Esta é uma história envolvente, onde as paixões se chocam em meio aos falsos padrões de comportamento, e as aparências ditam as normas.

Pressionados e despreparados, os envolvidos reagem pensando que, mantendo as aparências, estarão livres da responsabilidade de suas atitudes.

Essa ilusão tem um preço muito alto em dor e sofrimento, cujo círculo vicioso pode durar séculos.  Entretanto, a vida, em sua magia espiritual, usa os recursos do tempo e da reencarnação pra libertá-las, tornando-as conscientes dos verdadeiros e eternos valores do espírito, sem os quais ninguém conseguirá conquistar a felicidade.

Esta é uma história de ontem.” - Zíbia Gasparetto


Editora Vida & Consciência

Ano de lançamento: 2001

Páginas: 356

Formato: brochura


CURIOSIDADES:

Ano em que escrito: 2000

Ordem em que escrito:

Ordem em que editado:

Título original: Um Breve Caminho para Atravessar

Relançamento: 2011


Leia um trecho do livro:

“A moça silenciou.  Talvez ele tivesse razão.  Para que continuar com aquilo, deixar vir ao mundo uma criança que não desejava, enterrar sua vida e a de seu senhor no lodaçal da vergonha e do escândalo?  Além do mais, ele prometera recompensá-la.  Com o dinheiro poderia ir-se embora dali, esquecer aquilo tudo e recomeçar.

O médico iniciou a trabalhar nela.  Afastou suas pernas sem qualquer constrangimento e introduziu os dedos em sua vagina.  Após alguns segundos, em que a moça não conseguia esconder sua vergonha, retirou a mão e chamou o conde a um canto:

–  Creio que não é aconselhável tentarmos retirar o feto.  A gravidez já se encontra muito adiantada, e há riscos para a mãe.

–  Não importa – replicou o conde. – Livra-me dessa criança de qualquer jeito.  Se a mãe não resistir, bem…  Será uma pena, mas nada poderemos fazer.  Além disso, ela é ainda muito jovem, e há de possuir forças para suportar a dor e as conseqüências.

O cirurgião não viu outra solução, senão prosseguir na operação que, a essa altura, já seria mesmo um parto, seguido do assassinato de uma criaturinha inocente.  Manipulando instrumentos cirúrgicos precários, tentou puxar o feto para fora do útero da mãe, já todo formado, nos seus quase seis meses de gestação, e dilacerou o seu corpinho, retirando-lhe o tronco sem um dos membros superiores.     A criança veio ao mundo ainda com vida mas, estertorando por alguns poucos segundos, logo morreu, deixando no útero da mulher o bracinho decepado.  Tamanha violência ocasionou séria hemorragia na moça, e o médico não sabia como retirar o braço da criança do ventre materno, causando-lhe dores horríveis.

–  Pelo amor de Deus! – implorava. – Salvai-me!  Não quero morrer, tenho medo!  Salvai-me!  Salvai-me!

–  Jesus… – evocou a abadessa coberta de pavor.”

Interessou?

curtir facebook

loja virtual

Comentários dos usuários(9):(incluir comentario)

  1. Gisleine Rocha em 20 de setembro de 2011, disse:

    Oi Mõnica, bom dia. Aprendi a ler seus livros a alguns anos, sempre fomos ligados a leitura,meu marido sempre me deu livros de presente e um dia sismei com um “ATÉ QUE A VIDA OS SEPARE”,ganhei dele, amei e de lá pra cá leio todos,até os mais recentes. O mais engraçado é que meu marido é budista, estamos juntos a 18 anos e pratico tb a religião mas adoro a ma amagia, o místico que envolve a leitura de seus livros, acredito nesse modo de pensar, de como as coisas acontecem, já li de outros autores como a Zibia, más gosto quando tem história, torna ainda mais real, verdadeiro. Só gostaria de relatar um fato que me aconteceu a quase 10 anos, no nascimento da minha filha, eu não suporto cheiro de hospital, acho que a mistura de remedios, eter, alcool, não sei dizer, mas nesse dia na sala de cirurgia, comecei a perguntar p/as enfermeiras de onde vinha aque cheiro de café, era muito forte com se a lanchonete fosse ao lado da sala, eles se perguntavam mais ninguem havia tomado café e muito menos estavam sentindo o cheiro, foi incrivel, pois adoro o cheiro de café. O mais mágico desse momento é que depois conversando com minhas irmãs e falando desse episódio do cheiro do café, elas me contaram que se atrasaram para chegar no hospital pois esperavam ainda um familiar chegar em casa e enquanto isso resolveram fazer um café, não paresse brincadeira, lembro disso até hoje, não gosto de hosp, agulhas e cheiro e no dia tudo deu certo, tomei anestesia e não senti dor, cheguei lá as 19:00 e as 19:19 ela já havia nascido, não senti cheiro nenhum, somente o do CAFÉ, tudo foi perfeito, foi mei mágico. Acho que deve ter sido proteção de alguem especial, no começo da gravidez perdi um tio que eu adorava muito, e ele faria aniversario em 28/11 e a previsão p/ o nasc. da minha filha era p/ 28/11, mais adiantou devido a minha pressão que subiu um pouco nos 10 últimos dia, e ela nasceu em 18/11/2001, o mais engraçado é que só descobri o dia do aniversario dele a uns tres anos, nunca soube que ele era de novembro. Só relatei isso para demonstrar pra vc o quanto gosto de seus livros e a forma que as historias são verdadeira e nos envolvem, eu tenho a minha e que sabe um dia escreve um livro. bjs. Vc é especial (gostaria de um dia poder te conhecer pessoalmente)

  2. Gisleine Rocha em 20 de setembro de 2011, disse:

    Por coincidencia nasci em 11/07/60

  3. Gisleine Rocha em 20 de setembro de 2011, disse:

    11/07/1969

  4. Mônica de Castro em 03 de outubro de 2011, disse:

    Olá, Gisleine. Adorei ler a sua história. A mediunidade nos faz vivenciar coisas que ninguém acredita. Só que já passou. No caso que você relatou, pode haver várias explicações, mas uma coisa é certa: o cheiro do café veio de algo ou alguém com uma energia muito positiva e boa. Parabéns.

  5. Mônica de Castro em 03 de outubro de 2011, disse:

    Olá, Berdadete. Sinto se passei a impressão de que sua cidade fica “perdida no interior de MT”. A intenção não foi essa, até porque eu havia pesquisado sobre ela e a achei bem bonita, inclusive como lugar de turismo. Mas a ideia foi descrever um local remoto há 20 anos, em uma região mais afastada do centro cidade, num bairro mais pobre. E até aqui no Rio existem lugares assim. É claro que gostaria de conhecer sua cidade, até porque adoro viajar e acho que sempre há coisas interessantes para se ver. Quem sabe, essa oportunidade anda não irá surgir? Beijos e obrigada pelo carinho.

  6. Fabio em 29 de fevereiro de 2012, disse:

    Acabei de ler essa grande obra e simplesmente achei ótimo, uma historia muito envolvente e com um lindo final.
    Parabéns Mônica de Castro e Leonel…

    Fábio Ferreira

  7. giovanna em 07 de janeiro de 2013, disse:

    acabei comprando este livro mais por curiosidade sobre suas obras literárias e achei simplesmente perfeito, isso nos mostra o quão importante é o perdão e o amor em nossas vidas, parabéns…

  8. Macele em 03 de fevereiro de 2013, disse:

    Mônica,o 1º livro que eu li e realmente gostei foi Uma história de ontem. Nossa,eu e minha mãe nos tornamos suas fãs.Já li a metade de seus livros,falta apenas 3 para minha coleção ficar completa! Obrigado a você e a o Leonel também. Quando eu comecei a ler Greta, quando eu abri a primeira pagina e vi aquela dedicatória,era mais ou menos oque eu estava vivendo,tinha perdido alguém muito querido,muito especial,li o livro,maravilhosa leitura. Comprei o livro e dei de presente para uma amiga que foi mais que uma amiga pra mim,é a mãe do meu 1º namorado que faceleu,é pra ela que eu dedico esse livro. Obrigado por me fazer sentir gosto pela leitura,o livro que mais adorei foi Gemeas nossaaa,até fiquei triste quando estava acabando de ler.
    Um Grande beijo.

  9. Nome Marcele em 03 de fevereiro de 2013, disse:

    Marcele

Comentar: