Confissões

set3

1

Um pouquinho do meu jeito…

Eu preciso confessar uma coisa, ou melhor, algumas coisas:

Sou organizada, mas nem tanto. De vez em quando me enrolo sozinha, quando faço alguma coisa desejando fazer outra.

Sou alegre, mas, às vezes, fico um pouco deprimida. Isso porque também tenho sentimentos e desejos, e, como todos, não estou acima do bem e do mal.

Sou boa, mas tenho meus momentos de mau humor. É que enfrento algumas dificuldades, principalmente com mentira, desrespeito e injustiça.

Sou tolerante, mas, nem sempre, paciente. Tem vezes em que me irrito um pouco com a falta de noção de alguns. Quando isso acontece, rezo e espero a irritação passar.

Sou amiga, mas não gosto de apegos. Nada melhor do que a liberdade para expressar genuinamente o que sentimos. E, cá entre nós, ninguém precisa estar grudado para mostrar que gosta.

Isso me lembra algo: Sou carinhosa e nada ciumenta. Sou sensível, não piegas. Sou afetiva, mas não sentimental e muito pouco romântica. É que a objetividade faz parte da minha natureza.

Tenho muitas virtudes, reconheço, mas os meus defeitos… Bom, eles existem e eu estou tentando, juro, modificá-los sem atropelos. Às vezes é tão complicado… Também, se fosse fácil, eu não precisaria nascer.

Sou vaidosa, como toda mulher, mas não sou de ostentação nem exibicionismo. Eu simplesmente reconheço o meu valor sem desmerecer o valor de ninguém. Todo mundo tem o seu, claro.

Tenho orgulho do caminho que escolhi na vida, do tanto que lutei para alcançar meus objetivos, das muitas renúncias que tive que fazer para conquistar meu lugar no mundo. E mais ainda me orgulho de ter conseguido tudo isso sem perder a dignidade, a empatia, a espontaneidade.

Agora, medos, inseguranças, frustrações, mágoas, raivas e ressentimentos existem aos montes dentro de mim, não posso negar. Só que há uma diferença. Eles estão em mim, mas não se confundem comigo. Eu não sou assim, estou assim por uma necessidade da minha alma em evoluir. Logo, se tudo é passageiro, tenho consciência de que cabe a mim a responsabilidade pela minha transformação interior.

Ah! E tem algo que considero meu maior talento e, ao mesmo tempo, tem um pouquinho de vício: quando começo a escrever, dificilmente me convenço a parar.

Comentários dos usuários(1):(incluir comentario)

  1. Sheila Rovaris Zanotti em 20 de março de 2014, disse:

    Gostaria de saber se há a possibilidade de doação de livros de Mônica de Castro.Peço que sim,pois estou sem emprego.Meu endereço é Rua Arlindo Lopes da Silva,300,Bairro Nossa Senhora do PilarII,cep 37550-000,Pouso Alegre,Minas Gerais.

Comentar: